Morde! Morde!

Casamento, filhos, e a gente sabe que a vida sexual vai ficando pra último plano. Não por falta de tesão ou porque “o fogo da paixão acaba” – acho ótimo quando escuto solteiros e sem filhos dizerem que “o lance é não deixar cair na rotina”. Houahauoa. Dou gargalhadas FEDERAIS por dentro, “não deixar cair na rotina”, HAOUAHUOAHUA! “Não deixar apagar o fogo”, HAOUHAUHUOHAUO… Eu só fico pensando, e tento guardar pra mim, pra não passar por chata: “Espera sua vez, meu amor, espera sua vez… E depois vem me contar…” – mas porque NÃO EXISTEM HUMANOS DE FERRO.

Na prática, o casamento é uma maratona tão grande que é FODA conciliar tudo de maneira que ainda sobre FÔLEGO e TEMPOOOO pra transar. Maridos acordam antes das seis, vão pro trabalho, passam o dia todo resolvendo pendengas, chegam exaustos e ainda têm que sentar na porra do internet banking pra pagar contas – no caso do meu, chega às 23h30, pq ainda tem faculdade. As mulheres, depois da maternidade, NÃO DORMEM, acordam duas, três, mil vezes por noite, as crias acordam antes das seis tb, berram, gritam, bagunçam tudo. Tem que fazer comida, dar banho, levar pra escola, voltar, colocar casa em ordem, trabalhar (dentro ou fora de casa), sair do trabalho, pegar filho no colégio, levar pra casa, fazer jantar, dar banho… Puta merda.

Não é o “fogo da paixão” que se apaga, colega, é o FOGO DA VIDA, mesmo. Quando marido e mulher terminam seus afazeres diários, estão os dois MORIBUNDOS na cama. Sem força pra mexer um dedo. Mortos de vontade de ter vontade de transar – eu sei que os casados e atribulados vão me entender.

Aí começam os fenômenos típicos do casamento.

VOu falar por mim.

Às vezes, eu tô tão cansada, mas tão cansada, que fico cantando meu marido por telepatia. Ali, os dois na cama, deitados, quase dormindo, eu não tenho coragem de me mexer. O cansaço é tanto, mas tanto, que a força perde pra ele. Eu até tento abrir a boca pra falar, mas a mandíbula não responde ao estímulo, o cérebro já não trabalha na construção de frases direito e, qdo eu consigo abrir a boca, sai um “vvv” e eu desisto.

Então fico tentando mandar mensagens telepáticas.

“Amooor… Amor, c tá me ouvindo? Que você esteja me ouvindo, que vc esteja me ouvindo… Vem cáaa! Dá um chega pra cáaaa!”

Mas ele não ouve e, depois de uns cinco minutos de tentativas, ouço um ronco dele e outro meu.

Ou seja, telepatia sexual não funciona.

Aí nóis parte pra tática que eu chamo de Tática da Boneca Inflável.

É quando o marido tá louuuco, pq homem tira energia sexual sabe Deus de onde, que eu não descubro; e vc tá ACABAAAADA depois do dia inteiro lutando com a filha que primeiro não queria tomar banho, depois não queria colocar a roupa, depois não queria ir pra escola, chegando lá não queria ficar e, no fim da tarde, não queria vir embora; não queria jantar pq tava com sono, não queria tomar banho pq tava com sono e, qdo vc colocou na cama, não queria dormir. Não há físico ou psicológico que funcione depois da maratona, gente. Por mais que vcs, que não têm filhos, possam estar pensando: “Affff, não trabalha fora, NÃO FAZ NADA O DIA INTEIRO e ainda reclama!”. Aaaaaaaah, moleque! Deixa estar, que o tempo é o melhor remédio e VAI CHEGAR A SUA VEZ! Se não for com filho, vai ser com mãe e pai bem velhinhos que vão depender de vcs qdo estiverem senis.

Mas então, voltando à tatica da Boneca Inflável, é quando vc entende que ele quer e precisa, mas não tem FUEL suficiente, então manda a célebre:

“Tá, a gente faz, você pode fazer o que quiser, mas eu não vou me mexer, tá?”

Lógico que no fim das contas vc se mexe e tal… mas a intenção é, realmente, ficar estática. Pq todos os músculos do corpo, a esta hora, estão pedindo arrego. Ou vcs acham que segurar um bichinho de 2/3 anos e 15/20 kg se sacodindo e berrando o dia todo é mole? Rapadura é doce, mas não é mole não, mané!

Ou então a terceira e última tática, que é a melhor. É a tática “PEGA NO TRANCO”. É quando vc tá tão esgotada, mas tão esgotada, que na verdade não teria forças nem pra dar um peido… quanto mais tesão e vontade de transar. Mas, como a vontade de ter vontade tá grande, você decide, em nome do bem maior que é o casamento, fazer uma forcinha e pegar no tranco.

É começar na moribundice total, com desejo quase zero – pq depois que esquenta a coisa flui muito bem!

O lance é esquentar.

Pois bem, aconteceu esses dias.

Estávamos, os dois, utilizando a técnica do pegar-no-tranco. Na verdade, o dia tinha sido tão cheio, mas tão cheio, que Isabela dormiu cedo – às 10 da noite ela estava capotada. E nós tb, claro, mas acontece que uma chance assim, de um tempo em paz pra colocar a vida sexual em dia, é tão, mas tão rara, que decidimos não deixar passar.

Os dois de banho tomado, aquela coisa RIDÍCULA, o cúmulo da previsibilidade – eu tenho certeza que quem tem filho pequeno vai entender. Cansaço MÓR, sono MÓR. Eu quase fiz a Boneca Inflável, mas agüentei firme, e comecei a fazer tudo direitinho.

Mas o meu cansaço era tanto que nem o pega-no-tranco tava adiantando – pra mim, né, pq homem, como eu já disse, tem uma facilidade tremenda de “ficar disposto”, se é que vcs me entendem.

Então eu comecei a viajar nas dicas de todas as revistas que eu já li em todos os consultórios de médicos na minha vida. Revistas Claudia, Marie Claire, Criativa, por aí vai.

Eu devia desconfiar, devia mesmoooo, que quem escreve essas revistas é gente solteira, só pode.

Juntei na minha cabeça todas as informações de todas as matérias tipo “69 dicas pra apimentar a vida sexual”, “Dez dicas que vão fazer vocês delirarem!”, “vença o cansaço e diga olá ao tesão” e, estudando rapidamente os pontos em comum de todas as matérias, vi que a única coisa que se repetia incessantemente em todas as revistas era a velha: “INVENTE COISAS NOVAS. Uma dança sensual, uma lingeria bacana, uma posição nova, um tapinha – entre quatro paredes vale tudo!”

Do jeito que eu tava, se eu levantasse pra fazer uma dança sensual, meu marido brocharia – nenhuma dança é sensual qdo a dançarina mete a cabeça na quina do criado-mudo porque dorme no meio do número.

Lingerie bacana não me pareceu bom, pq, bem, desde que eu despedi a empregada não sei onde estão minhas coisas, mesmo.

O tapinha já era clichê.

Foi quando, do nada, cheguei a uma conclusão maravilhosa pra “apimentar-a-vida-sexual-e-delirar-dizendo-olá-ao-tesão”.

“- ME MORDE!”

(Tenho que fazer um adendo aqui. Meu marido sempre me zoa pq eu tenho uma mania linda de exagerar.

Por exemplo, se ele come um pedaço do meu sanduíche, eu fico louca e berro “PORRA, VC COMEU METADE DA PARADA!”. Se eu quero mais bebida, eu peço um pouquinho, ele coloca duas gotas, eu digo “Só isso? Coloca mais, porra!”, e daí ele vai colocar a TERCEIRA GOTA, uma quantidade mínima, e eu, alucinada, berro “TÁ BOM, TÁ BOM! AAAAH, PORRA, AGORA VC ENTUÍU MEU COPO COM ESTA MERDA!”, e por aí vai. Adendo feito)

Marido não entendeu nada. No meio da bagaça, na posição mais velha de todos os tempos, se é que vcs me entendem, eu, quase dormindo, morta de sono e semi-apática, berro um ME MORDE com todas as letras.

Ele, meio desconfiado, meio com medo de que eu acabasse dormindo no meio do ato, decidiu acatar a ordem e tentou, todo delicado, me morder.

Acontece que eu, cá pra mim, tava viajando nas tais matérias de revistas, e as mordidas delicadas dele estavam me fazendo cócegas, ao invés de dar tesão.

“- ME MORDE, PORRA!”

Enfática que só eu.

Olhei a cara do marido e vi o que o desconfiado estava agora mais próxima de assustado; mas ele acatou.

E nada. Eu realmente tava quase dormindo.

E foi quase dormindo que eu fiquei repetindo que nem uma maluca, aos berros raivosos, “ME MORDE, CACETE! ME MORDE, CARALHO! MAIS FORTE!”

Da última vez em que olhei a cara do marido, ele já não parecia mais nem assustado. Ele estava com a expressão APAVORADA. Mas acatou a ordem.

Mas aí ele acabou transbordando a terceira gotinha da bebida.

“- AAAAAAAAAAI, CARALHO!!! DEVAGAAAAR, PORRA!!!! VC QUER ME ARRANCAR OS PEITOS, CACETE???? TÁ MALUCO??????”

Marido revoltou-se. Saiu de perto, deitou ao meu lado e mandou, em PÂNICO:

” – Eu não sei o que está acontecendo com você. Nunca vi você assim. Tava vendo a hora que vc ia gritar MORDE PRA ARRANCAR, PORRA. Eu hein, Deus me livre! Sai, credo, tô me sentindo em “Antes só do que mal casado””

Gente… Vcs já viram esse filme a que ele se referiu?

Assistam:

Nada a declarar.

P.S.: gente, não tive tempo de corrigir esse textículooo! Tô com pressa! Me avisem se houver mto erro de digitação!

hjaohohouahauhauohauohauohuaho

Anúncios