Vem, 2011! Acaba com esse dia 31 logo!!!

Gente, me desculpem, eu ODEIO ano-novo em cidade grande! ODEIO bloco das piranhas, ODEIO bêbados pela rua, ODEIO gritaria, ODEIO fogos barulhentos, ODEIO ambulantes gritando “SKOL LATÃO CINCO REAL”, ODEIO aquelas meninas gordeenhas sem noção de mini short, top fluorescente, franjinha colada na testa com gel e sobrancelha desenhada com lápis de olho marrom (???), ODEIO show do Luan Santana.. Enfim, eu sou o AVESSO do Reveillon em Copacabana, por exemplo! Acho um INFERNO, uma coisa INSUPORTÁVEL, detesto!

Até antes de a minha filha nascer, eu costumava acampar no ano novo… O destino era, invariavelmente, Trindade… Delíiiiiiiiiiiiicia!!! Barraca, amigos, beques, fogueira, violão… Na paz! Virávamos o ano ao som de uma bandinha local cantando Pescador de Ilusões… era maravilhoso. Até o último ano, de 2004 pra 2005 (em 2005 conheci meu marido pessoalmente e o que até então era um conhecido de internet – que eu tinha certeza que era o homem da minha vida, by the way – virou meu namorado), quando parece que aproximadamente 25 mil pessoas descobriram Trindade e o ano-novo lá ficou muito semelhante a Copacabana. Aliás, todos os destinos alternativos do mundo parece que foram descobertos e tudo parece que ficou um inferno. Mas Trindade, particularmente, ficou impossível de se freqüentar em feriados, então o mundo acabou pra mim.

Também, em dezembro de 2005 eu tava grávida, no de 2006 Isabela tinha 4 meses… e de lá pra cá, passamos em casa! Nós três, eu faço umas comidinhas delícia, gelamos uma garrafa de qualquer coisa e ficamos felizes da vida xingando os fdps que ficam soltando fogos até cinco da manhã. Fala sério, pra que isso? No outro dia é um dia NORMAL, caralho. Dia 2 todo mundo trabalha, o mundo não acaba no dia primeiro! Não faz sentido tanto berro!

Enfim! Independente do que acontece lá fora, esse ano nós vamos celebrar não o ano-novo, mas o velho! 2010 foi muito bom pra minha família! Nós crescemos muito!

E é isso, que esse ano venha arrebentando (e eu sei que vai vir), trazendo muita coisa boa pra todo mundo!

Beijos pra todos, feliz ano-novo!

Anúncios

O Preconceito ao Contrário

Eu cheguei a ver em alguns blogs um “fenomenozinho” aparentemente corriqueiro no mundo PS e estranhei, mas não achei que fosse se aplicar a mim. O fenômeno da “pouca gordura para estar aqui”.

Acontece quando, tipo, um catalogo vem com plus size models que não chegam a ser goooordas, que devem estar na faixa do 44. Daí as meninas mais gordas se sentem injuriadas porque a tal modelo “não é gorda o suficiente” para estar ali.

E, tcharaaaam, adivinhem? Aconteceu comigo não faz dez minutos:

“eu
dez 31, 2010 @ 00:06:50

Me desculpe Carol, mas eu acho um absurdo você defender tanto numeração gg como se fosse 46 quando 46 nem gg é. Vc é uma pseudo gg, amiga… eu visto 52, quem dera ter seu corpo eu estaria feliz da vida.

colocar enjoy e mercatto como opções para quem procura roupa gg é um absurdo! pense nas meninas que vestem mais do que vc, quando eu por exemplo vou encontrar roupa na enjoy?”

E eu posso com isso?

De boa, me recuso terminantemente a cair em bate-bocas quanto a isso! Imagina! “Sou gorda sim, tá, e sou GG sim!” Hahahahaha! Que porra! Tenho que postar uma foto pelada ou de biquini 40 pra provar que fico muito semelhante a um salame pendurado se vestir um número padrão? Ah, pelamor, cara!

O fato de eu ser MENOS gorda que você, cara, não quer dizer que eu não tenha problemas pra encontrar roupas ou que eu não seja um tamanho grande. Meu tamanho é grande, o seu é maior ainda, mas os dois são acima de 44 e, portanto, são plus size. Não tenho que provar nada, oras! Fiquei chateada, achei descabido!

Uma vez, na fila do McDonals, numa das raríssimas vezes em que fui comer lá – eu realmente quase nunca vou, se como lá uma vez por ano, é muito -, eu não sabia o que pedir e uma menina muito mais gorda do que eu, atrás de mim, quis me apressar:

“- Pede o trio Cheddar e uma torta!” (eu queria pedir ou sanduiche e batata OU sanduiche e torta, e não tudo junto).

Respondi que não, que se eu engordasse mais dez gramas eu explodia, que já era um absurdo que eu estivesse comendo ali em dia de semana.

A menina riu e falou que se tivesse o meu corpo estava feliz da vida e não se preocuparia com isso. O_O

(de boa, fui grossa, respondi que então tava explicado o porque de ela estar do tamanho que ela estava… O fato de eu estar gorda não quer dizer que eu coma desesperadamente junk, cacete, e muito menos me dá passe livre para fazê-lo)

Mas enfim… Acho que isso é uma situação parecida; é o preconceito às avessas. O preconceito das gordas x magras (ou, no caso, pior ainda, gordas x menos gordas).

Achei chato isso e me recuso a ficar justificando o quão gorda sou. Oras.

Ainda mais que não estou evoluída o suficiente pra assumir meu peso em público. Hahahahahaha!

Desculpem se fui meio grossa, esse post nem era pra existir, foi só pq não consegui me calar!

Beijocas!

* só pra me sentir importante, aí vai um HVA básico: hoje fui assim ao mercado da esquina, HAHAHAHAHAHHA!

Essa blusa é da Mercatto, e eu me apaixonei por ela no exato momento em que vi na vitrineee! Sim, Cris, as coisas lá tendem a ser descartáveis! Mas eu adorei! Custou 40 paus, hahaha! E bermuda Leader boyfriend 46 ajustada! ODEIO essa cor e vou tingir de escuro. Ah. E bolsa desbotada Sacoladela e Havaianas prata e branca.