>>> FEIJÃO FDP

(esse eu resgatei do meu fotolog tb. Faz algum tempo, mas vale a pena. Feijão fdp…)

Estava eu aqui, quieta, vendo Seinfeld, quando meu ID e meu Superego começaram uma batalha.

O ID queria comer um pacote de “Tortinhas Triunfo” que tá no armário. O Superego não parecia estar disposto a deixar e dizia : “- Deixa de ser burra, vc tem 9 dias pra emagrecer uns oitocentos kg, vai quebrar a dieta de novo, depois da farra das paçocas ontem? Tá maluca??? Vai chegar na casa do namorado como, quicando??? Quer economizar a passagem??? Vai rolar até o Chile, é isso??? Se enxerga, porra, vai comer a merda do arroz com feijão que vc tem direito no almoço e fica quieta!!”.

(Vale lembrar que essa grosseria toda é típica do Superego. E só ele pode ser grosso comigo, então, se alguém disser aí que eu vou quicar até o Chile, eu mando um caralho voador no meio do fiofó)

O ID dizia: “- Mas aquelas tortinhas de chocolate são tão boas…”

Depois de uns 7 rounds e de o Superego me provar por A + B (leia-se: minha calça preferida tá tão apertada que se eu vestir, explode) que eu devia comer as meras 3 colheres de arroz com uma concha de feijão, eu decidi ouví-lo. Afinal, aprendi com a tia de Psicologia do Consumidor que o ID é o diabinho no ombro. Então, meu EGO foi esquentar a porra do feijão com arroz.

Pois bem.

Meu aparelho psíquico todo feliz, com feijãozinho quente no prato, voltei pro quarto. Como sempre, coloquei o prato em cima da cama e sentei no chão, pra comer vendo T.V, como boa cidadã deste mundo pós Revolução Industrial.

Na primeira garfada, uma mega-hiper gota de caldo de feijão caiu na colcha.

— Aí rola aquele susto que vc até senta direito, desencurvando as costas, e, durante uns 3 segundos, pensa no que fazer –

Desesperada e desastrada, sem saber o que fazer, a primeira reação foi passar o garfo pra tirar a porra da gota.

Aconteceu que o caldo de feijão era muito grosso e eu só espalhei a parada. Agora parecia a pinta da Angélica.

— Aí rola a parte em que eu levanto, ponho um pé de apoio, dou um giro em direção à cozinha e, sem tirar o pé de apoio, volto o giro em direção à mancha; e faço isso três vezes consecutivas por não saber exatamente o que fazer ainda. Mãos abanando no ar, falando meio sozinha “aaaaaaaai, aaaaaaaaai, aaaaaai”, totalmente sem era nem beira —

Fui até a cozinha, peguei o pano de prato, molhei a pontinha, voltei correndo pro quarto. Passei em cima da mancha.

Maior merda não poderia ter feito; o que antes era simplesmente a pinta da Angélica se transformou rapidamente num manchão do tamanho da virgindade da cigana Dara que o cigano Igor forjou cortando braço e deixando o sangue cair no lençol (oahahoahoahouaoaoua, lembram???), digna de qualquer drama gloriapereziano.

— Aí eu levanto, joelhos ligeiramente flexionados, corpo ligeiramente inclinado em direção à cama, olhos cravados na mancha, como se ela pudesse fugir a qualquer momento, coloco o cabelo atrás da orelha e tomo uma atitude drástica —

Largo o pano ao lado do prato, puxo a colcha e saio correndo arrastando a bichinha pro tanque.
Boto debaixo d´água a parte que está com a mancha. A água cai, molha tudo, tira um pouco da sujeira, mas fica um borrão amarelo. O troço tinha caído bem na listra branca.

Aí, como dizem que Ariel tira até autógrafo de jogador da Copa de 82, e presumindo que Omo fizesse o mesmo, lasquei um montinho de Omo na mancha. Misturei com um pouco d´água, estranhei quando o sabão em pó ficou quente.

Bem, deixei uns 10 minutinhos, com o cu na mão, claro.

Ao retirar a crosta de sabão em pó, qual não foi a minha surpresa ao encontrar uma nuvem azul, da cor do sabão, na minha colcha! Até tu, Brutus??? Pelo que eu saBIA, sabão em pó deixa tudo limpo. Parece que estava totalmente enganada.

Liguei pra 0800 alegando que tinha algum erro com o sabão pq ele ficou quente e deixou uma mancha azul na minha colcha e a mulher me disse que, pelo q eu descrevi, eu coloquei muito mais sabão do que o necessário.

E desde quando pode-se usar mais LIMPADOR do que o necessário, ahn??? Não faz sentido, entendem?

Xingando mentalmente até a vigésima geração da pobre mulher, que me aconselhou usar água sanitária somente no lugar da mancha, desliguei o telefone dizendo que, se eu preciso lavar com sabão pra tirar a sujeira e depois lavar com água sanitária pra tirar o sabão, era muito mais jogo usar só a água sanitária. E mandei que fabricassem sabão em pó branco, ora bolas.

Pois bem. Seguindo o conselho da filha da puta, tirei a garrafa de água sanitária do armário, caiu uma gota na minha meia, apliquei na mancha e o troço se espalhou por toda a extensão úmida da colcha.
Mandei tudo pra casa do caralho, enfiei a colcha na máquina, lasquei água sanitária e sabão em pó, pq eu não sou trouxa de ter q lavar duas vezes, e voltei pro quarto.

MORAL DA HISTÓRIA: se eu tivesse ouvido meu ID e comido as tortinhas, nada disso teria acontecido. ¬¬

Anúncios

>>>EMPADA COM PENTELHO


(texto trazido do fotolog)

Tipo, foi ontem, no Extra. Passei lá com meu pai antes de vir pra Angra. Comprar besteiras pros meus avós.

Como de praxe, a gente pára pra comer umas coisas na Rotisserie do supermercado. E dessa vez eu pedi empadinhas. Mini empadinhas. Quatro unidades.

Vieram num saquinho, eu comi uma, eca. Muito ruim. E, graças a Deus, antes de comer outra eu olhei pra dentro do saco.

Lá estava, meu povo. Um cabelo pixaim. Ou um pentelho, whatever.

Depois de regurgitar e conter meu vômito com um gole monstro de Fanta Uva, me dirigi lentamente à mulherzinha do caixa. Não disse nada, só mostrei o saquinho, com uma ânsia de vômito do caraleo.

A pergunta da mulher:

“- Isso já estava aqui quando vc comprou as empadas?”

Puta merda. Mil cacetinhos cravejados de diamantes.

Eu não respondi. Tentei levar na esportiva e tinha esperança de que ela pelo menos olhasse minha cabeça. O cabelo não podia ser meu, porra. Sem contar que tinha uns 8 cm no máximo, era PIXAIM, CARALHO!!!

Mas a mulher não pareceu satisfeita com minha cara de concha e esperava ainda uma resposta.

“- Não, querida. Eu coloquei aí esse cabelo…”, disse, rindo, com a ironia e sarcasmo que me são peculiares.

Mas como ela pareceu acreditar na minha história e não deu nenhum sorriso, fiquei com medo e me retratei:

“- É claro q estava aí quando eu comprei!!! Q pergunta… Até pq, minha querida, não sei se vc pôde reparar, mas esse cabelo não é meu”

Bem, era meio óbvio que aquilo ou era cabelo ou era pentelho. Eu tenho certeza absoluta que, fosse o que fosse, não era meu.

Mas a mulher simplesmente desceu o olhar até a altura de minha pelvis.

E naquele momento eu, sem acreditar no absurdo que estava escutando, soube que ela realmente pensava que podia ser um pentelho MEU!

“- Ah, tá. Então eu coloquei um pentelho na empada. Minha querida, faz seu trabalho, devolve meu dinheiro”
“- Não posso devolver, acabei de registrar”
“- E o que que eu tenho a ver com isso?”
“- Não sei, a senhora me apareceu aqui com um pelo num saquinho de empadas”- E a filha da puta realmente me botava a culpa. Perdi a paciência.

“- Olha, meu amorzinho, nem que eu quisesse muito eu ia conseguir fabricar, com meu corpo, um pentelho desses. Agora, por favor, eu tô com nojo, eu comi uma das empadas, ela tava junto desse cabelo nojento. E, se vc não quiser que eu me dirija agora ao seu superior, devolve meus R$ 1,70!”
“- Ah, foi R$ 1,70? Pensava que era o pedido de R$ 50. Um minuto só”

E me devolveu o dinheiro.

O pedido de R$ 50 era de uma senhora que estava esperando. Umas 60 empadas.

Eu recomendo estritamente que se alguém for convidado pra alguma festinha nos próximos dias, não coma empadas.

JACUECANGA, ANGRA DOS REIS.


Affff… Não tenho idéia de onde tirei essa foto, mas enfim, foi aí que eu cresci… Dos 3 aos 16 anos… Eeeeeeita, quanta coisa…

SE eu ainda sei algo de lá, SE não errei nos mapas, vamos ver se eu consigo explicar…

Vamos começar pelo 2. Eu pus os números e só depois me dei conta de que precisava de uma ordem nas coisas. Foda-se.

2 – Atrás dessa linha verde aí há um rio. Do lado “de baixo” está a vila da Petrobrás. Do lado de “cima”, a Verolme, ou Jacuecanga. Na Petrobrás está o colégio que mais amei na vidaaaaaaa, no qual fiz mais amigooooos… Celamm – Colégio Estadual Leopoldo Américo Miguez de Mello. Estudei lá da 8a ao 2° ano… Ai, que saudade. Eu morava na Verolme… E todo santo dia andava lá de casa atéeee o colégio… Passava por uma ponte sobre o rio… Eu e um bando gigante: Biel, Suzana, Rodriguim irmão dela, meu irmão, Pablo da rua do lado da minha, Dudu Lorão… Caralho, gente pra CACETEEEE… E a gente ia andando, ZUMBIIIIIIS, morrendo de sono, 7 da matina – no inverno um frio do CARAAAAAALHO – e topando uns com os outros… Invariavelmente chegávamos de mulão no colégio… Ele fica à direita do número 1, mas não aparece na foto, infelizmente.

1 – O número 1, por sua vez, é o CEPE. É o clube onde as vezes fazíamos educação física, onde nadávamos, pra onde íamos pras festinhas juninas… Ih, mó barato, cara. Praticamente nenhuma aula de educação física era no colégio… Pq tipo, pegando esse retão aí, paralelo ao rio, que vai descendo em direção à esquerda, vc chega à praia. Metade das aulas eram na praia. Aliás, essa praia… Porra, quantas aulas nós não matamos na praia, jogando voley naquela quadrinha MINÚSCULA da sede… Porra… muito bom. E, como a praia da Verolme é, há uns 10 anos, uma podridão só, nós, moradores de lá, andávamos esses 2 km (aproximadamente), pra chegar nas 3 praias entre Verolme e Monsuaba.. Achávamos que eram mais limpas…OUAUHAOUHAOHUAH

3 – Morrão do GDV… Caralho… Este morro tumultuava meus sonhos e povoava meus pesadelos desde pequena. Falavam que ali tinha tigre. ¬¬ Ora, agora vc veja a inocência da criança… Um morro praticamente do tamanho de um Ford Ka não pode ter tigres, porra.

O GDV – Grêmio Desportivo Verolme, por sua vez, foi o clube que abrigou, entre outras coisas, os lendários jogos da Liga Angrense de Basquete… Ê, época boa… Eu tinha uns 10 anos. E foi lá no GDV, durante um desses jogos, que eu fiquei menstruada pela primeira vez…OUAUHAOUHAUOHOUAHUOAHOUHAUHAOUA… Ui, que vergonha.
Foi o GDV que abrigou a primeira academia da Verolme, e lá que eu comecei a malhar, com meus 13 aninhos… Virei uma paredinha, tãaaao linda, sem NENHUMA celulite…Bons tempos. Lá tb eu nadei bagaray, com o Tero, GRANDE TERO!!! Nadava que nem uma pata choca, mas nadava. Houahouhauohaoa.
Nos bons tempos, o GDV apresentou nomes de calibre como Fábio Jr, Fagner, sei lá, eu era pequena demais… Aí depois a coisa foi caindo… Katinguelê… Os Morenos… Os Travessos… Mc Sabrina… OUHAHAOUHAUHAUO… Eu nem sei quem é MC Sabrina, mas da última vez que estive em Angra ia ter show dela lá. Deus me livre.

4 – ESTALEIRO VEROLME… Durante muito tempo, o terceiro maior do mundo, se não me engano…Lá que todos os papais trabalhavam. 🙂 Uma beleza.

5 – ICBV – Iate Clube Bela Vista. Esse era o melhor. Minha infância TODA foi na piscina de lá – ao lado da praia. Nos bons tempos, aqueles até 1992, mais ou menos, vc se sentia num resort nessa porra desse clube. Tudo do bom e do melhor, piscina do lado da praia – que era limpa e LINDÍSSIMA, batatinha frita sendo levada na beira da água… Nusssssss… Êeeeeeeita, ferro. Era a dicotomia dos clubes, diziam que o GDV era “de pobre” e o Bela Vista, de rico. Eu sempre vi o GDV como um lugar pra fazer esportes e o Bela pra ir com meus pais no fim de semana. Nem sei o que aconteceu com o Bela Vista. 😦

6 – Campão. O Campo de futebol “oficial” da Verolme. Meu irmão jogou MUUUITAS partidas lá. Êita.

E quem é das antigas MEEEESMO vai lembrar que bem em frente ao Campão ficava a sede dos escoteiros… Mó barato… Meu sonho era subir naquela casa da árvore… Eu tinha uns 6 anos… OAHUAOUHOUAHUOAHUHAOUA

7 – A estrada aí é a BR 101. 🙂

8 – Minha casa. 🙂 Ficava por ali… Na rua da praia… Mó barato, cara…

Bom, por tudo isso meu pai insiste em perguntar até hj, sabendo que agora moramos numa cidade gigante, quem são os pais de cada pessoa que conheço. Pq lá era assim. Esses lugares que todo mundo conhece todo mundo, todos os pais sabem quem é quem, TUDO é visto por todos.

Vale lembrar tb que essa nostalgia toda é válida pros meus anos de infância e aborrecência: hj esta porra de Jacuecanga está ACABADA… Deus que me perdoe… mas NÃO SUPORTO esse lugar.

Houahouhauohauohauohaoua… Ninguém esperava por um final desses, huh??

OHAUHAOUHAUOHAUOHOUAHUOHAUOHAUOHAUOHA

(testemunho) SONO

Um sono, mas um sono…

Gente, eu não tinha idéia de que grávida era praticamente um zumbi. Eu tô muito grávida. Já passei do ligeiramente. Eu tô grávida pra caralho.

E nesse repouso que não posso soltar um peidinho sequer pq isso faz esforço e tô cheia dos riscos e coisa e tal, a falta de esportes ou QUALQUER movimento que não seja levantar e ir fazer xixi está me deixando LOUUUUUUUUUUUUCA.

Durmo o dia todo em cochilos de uma hora, duas.

Só sonho com esportes.
Corredeiras, cachoeiras, escaladas, maratonas, até triatlon (é assim?) eu já sonhei que tava fazendo.
Nos sonhos estou sempre em forma – em FORMA, não em forma de BOLA como me encontro nesse momento -, meus músculos ardem, eu suo que nem uma porca parindo seis filhotinhos ao meio dia.

Maaaaas, o mais incrível de tudo é que eu acordo EXAUSTA.

O_O

E tudo o que quero é dormir de novo.

E assim vai, incessantemente.

Oh, life.

–> VC JÁ COMEU SAGÚ????

COMENTEM, BANDO DE SALAFRÁRIOS!!!

Texto velho do meu fotolog, merecidamente resgatado:

Eu sou uma menina boazinha. Não desejo mal a quase ninguém. Quase. Pq, meu irmão, eu desejo que o idiota que inventou o sagú MORRA.

Vcs conhecem sagú?
Já ouviram falar de sagú???
Ja viram sagú??
Já comeram sagú???

Se vc respondeu “não” a mais de uma das perguntas acima, tente continuar respondendo “não” pro resto da vida. Conselho.

Conselho, dizem, se fosse bom, ninguém dava. E eu digo: por isso q psicólogos e psiquiatras cobram.

Voltando ao sagú: bolinhas compostas de alguma coisa de mandioca. Engraçado, pq é a primeira coisa derivada de aipim que eu não gosto. Aipim é tudo, aipim é vida. Já mencionei aqui que eu acho que devia estar assegurado nos direitos humanos o direito de comer aipim. Aipim é iguaria dos deuses. E dos índios, mas, whatever.

O fato é que meu pai comprou duas caixinhas de “Sagú Yoki”. Um de framboesa, um de uva. Estavam no armário há umas 3 semanas. Não fiz pq, além de estar em uma dieta fudida, não fui muito com a cara das bolinhas.

Mas ontem meu pai perguntou pq eu não fiz o sagú pra ele. E hoje, eu, a melhor filha do mundo (uoaouhaouhaoha), fui fazer o sagú, de surpresa.

Pois bem. Uma caixinha, 2 saquinhos; um com 100g de bolinhas brancas, outro com uns 200g de açúcar colorido, cheio dos corantes.

“Jogue o sagú na água fervendo e mexa de vez em quando até as bolinhas começarem a ficar transparentes. Apague o fogo, adicione o conteúdo do outro pacote, misture bem, deixe esfriar e sirva”.

E, minha gente, eu joguei o sagu. E tive a nítida impressão de estar cozinhando isopor. Manja aquelas bolinhas de isopor mínimas? Igual. E fui mexendo.

Vendo que o troço ia demorar pra ficar transparente, vim ver TV. Vinte minutos depois volto e a situação já tinha mudado muito: as bolinhas continuavam brancas, mas, por ter ficado tanto tempo sem mexer, uma gosma branca aumentava na superfície tomando conta da panela.

Cara de nojo, colher de pau na mão, mexi. Desgrudei o que tava no fundo. E a gosma pareceu feliz por se misturar com todas as bolinhas.

Ao tirar a colher de pau de dentro da panela, lembrei subitamente de “Quem Vai Ficar com Mary?”, o filme. Uma gosma branca pendia pendurada na ponta da colher. Igualzinha à que pendia na orelha do ator lá, no filme… Ou seja, porra. Porra. Parece porra aquela porra.

Segurando o vômito, continuei mexendo as merdas das bolinhas, elas não tinham ficado transparentes ainda. E elas foram crescendo e se envolvendo pela gosma. E quando começaram a ficar transparentes, desliguei o fogo e taquei pó vermelho.

E aí… Eu tava em “Procurando Nemo”… Dez mil bolinhas semi-transparentes e vermelhinhas olhavam pra mim… Com um pontinho branquinho dentro… Foi a cena mais bucólica.

E, quando tava pronto, parecia caviar.

Eu nunca comi caviar. Sou pobre, nem comi nem tenho vontade. E pró-seco é a coisa mais horrível. Pobre, porém limpinha e honrada. De qualquer forma, é porra de peixe, não é??? Meu, é IDÊNTICO a caviar. Querem imitar caviar? faz esta porra, lasca sal e bota em cima de torrada. Ainda diz que é beluga. Na moral, metade das fotos q vc já viu na sua vida achando que era caviar, aposto que era sagú. Welcome to the real world, babe!!!

Eeeeenfim… Deslumbrada pelas coisinhas, fui provar. Maluco, q coisa ruim. Q coisa bizarra. Q coisa horrível. Q sabor horroroso. Q coisa apavorante. Bolinhas impalpáveis, vc não consegue mastigar pq parece q são elásticas. Elas grudam no seu aparelho, nos seus dentes, empacam na sua goela e fazem vc fazer barulho de velho gozando pra tirar. Um troço meio catarro, meio aquelas balinhas de goma imitando garrafinha de Coca-Cola, sabem? E pq diabos eu continuei comendo????

Respondo. Pq, além de ser doce, eu tava encantada com as bolinhas. Realmente me senti uma enguia comendo os irmãozinhos do Nemo.

Só q agora tô passando mal. Comi 3 colheres daquela porra de peixe e não consigo nem pensar, visualizar as bolinhas.

Só vejo “Procurando Nemo” de novo daqui a 2 anos. ¬¬

P.S.: De quando escrevi esse texto pra hj, já vi “Procurando Nemo” umas 3 vezes… uhaouhuoahouah… não adianta, esse filme é muito biitim… 🙂

Tsunamiiiiiiiiii!!!


Eu devo ter algum problema, porque eu tenho quase certeza de que eu consigo salvar o mundo.

Desde o Tsunami, nos EUA e em uma porrada de países – não me perguntem quais – há aquelas plaquinhas indicando pra onde fugir em caso de uma onda gigante se aproximar. Ha! Eu não posso deixar de achar isso ridículo.

No Chile tem essas plaquinhas. E cada vez que via uma eu só conseguia imaginar 9724697145962 carros engarrafando ruas e avenidas em direção a lugares altos. Oras. Que idéia de girico, mandar neguinho fugir.

Tô vendo um documentário na Discovery agora. É de um lugarzinho de Newport, se não me engano… Ali a coisa é diferente… Eles mandam fugirem a pé. Tá. Ok, honey, vai todo mundo correr 12km montanha acima… Ha! Tem uma placa dizendo “safe place” a 12 km da praia!!! AHAOUHOUAHOUAHOUHAOU…. Que parada de mongol, achar que uns 8km acima do nível do mar é um lugar seguro… E pior: achar que ninguém vai pegar o carro! Ha! Tenho que rir. Essas autoridades idiotas, mandando neguinho correr na direção oposta.. Que ignorância.

Anyway, todas as vezes que eu vejo algo sobre Tsunami eu não posso deixar de pensar que EU tenho a solução. .Só não espalho por aí pq isso humilharia milhares de profissionais que, enfim, PENSAM que sabem – pq quem sabe mesmo sou eu. HAOUHAUOHUOAHUOAHOA.

Mas agora eu vou contar pra vcs.

Não se surpreendam, eu sou um gênio, é fato. Aprendi a ler com 3 anos, por que diabos não posso salvar o mundo aos 23?

Tá. A solução. Simples, claro como água.

No caso de um Tsunami, as pessoas devem se enterrar na praia com cilindros de oxigênio.

😛

TCHARAAAAAAAAAAM!!!!

Não, vão dizer que não é geniaaaaaaal?

O problema não é a água, a violência da água e a destruição? Oras, se enterrando na areia neguinho vai ficar segurésimo. Respirando oxigênio por umas 4h – tempo suficiente pro treco todo terminar -, não correm o risco de morrerem afogadas. Certo? Certo.

Se enterrando fundo, a uns 2 metros de profundidade, a onda vai passar láaaaa em cima enquanto neguinho tá láaaa embaixo, calmo e relaxado, ouvindo música num MP3 playerzinho, se quiser. Nenhum caco de nada vai atingir o indivíduo. Nenhum pedaço de carro vai arrancar sua cabeça. Nenhuma chapa de alumínio desgovernada vai cortar seu corpo ao meio. Nenhum pedaço de madeira vai atravessar seu abdômen. É praticamente a paz na Terra. HOUHAUOHAUHA…

Bom, então a solução é essa. Se enterrar.

Agora, eu sou burra, pq tô contando aqui e podem roubar minha idéia e vender pra uma General Motors da vida. Aí eles vão construir mini-compartimentos para auto-enterramento-express e vender a 5 mil dólares. Cada americano vai ter o seu. Também terão em tamanho família. Compartimentozinhos que cavam a areia por algum mecanismo de pressão de ar, com cilindros de oxigênio dentro, sistema de som estéreo e até umas balinhas de menta para dar uma melhorada no hálito enquanto estão lá embaixo. Afinal, ninguém sabe quando pode pintar um clima. Vai que o cara tá na praia… Paquerando uma biscate qualquer… Vê o tsunami vindo… Chega pra ela, meio assim, meio assado, e manda: “Ei, chuchu, o tsunami tá chegando… eu tenho um super compartimento GM550-TXT… Tá afim?”. É, vai saber.

E eu não quero que a General Motors lucre. Eu bolei o salvamento do mundo, não quero neguinho ganhando dinheiro nisso. Oras.

Agora… É bem verdade que eles vão sair de lá debaixo e tomar um susto, suas casas destruídas… A cidade inundada, soterrada… Pra isso eu ainda não bolei um plano.

Mas, ei, eu sou só um gênio, não sou Deus!!!

OUAOUHAOUHAOUHOAHOHAOUAHOHAOUHAAO

Vou nessa, tá passando American Choppers. Me amarro.

Bom,…

Minha mais nova mania é ficar vendo esses vídeos de bebês. Não me perguntem nada, não falem comigo por MSN, eu não vou responder, tô vendo esses vídeos dessas bostinhas mais lindas do mundo.

Eu acho que só quem é mãe ou quem tá grávida pode entender como é fofo ficar vendo isso.

O do bebê peidando é TUDOOOOOOOOOO!!!

E o dos quadrigêmeos é simplesmente o melhor.

Vou continuar fuçando vídeos e postando aqui.

🙂

Bebês… Ah… Bebês…

Nãoooo… eu não podia deixar de linkar isso aqui…

Olhem isso. A Aylla me passou esses links e eu ME MIJEIII de rir assistindo…

Vejam: http://media.putfile.com/Laughing-Babies
http://media.putfile.com/johnny_zaggy

ADOREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEI!!!

E esse eu achei lá tb… haohauohuaohuohaoua

http://media.putfile.com/babypowder
http://media.putfile.com/Ben111305

Ótimooooooos

Ovo Ferrero Rocher

Caralho, porra, CU, tô fudida: agora tem ovo de páscoa Ferrero Rocher!!! caralho!!! Quem foi o desgraçado que fez isso? Esse filho da Puta não tem mãe!

Hoauhouahauohahua… Eu não quero nem saber o preço, esse ano tô grávida, QUERO UM OVO FERRERO ROCHER, e AI de TODO MUNDO se eu não ganhar. Afinal, é o bebê pedindo, gente, e ninguém vai querer ver o moleque com cara de ovo… OHAOUHAUOHUO

Tá. Fiz um layout novo pra cá. Só que agora não tenho a MAIS VAGA IDÉIA de como gerar o código html. Me fudi. Pra variar.

REFLEXÕES SOBRE O SONO – ATÉ A HORA EM QUE EU DORMI

Texto do fotolog:

“Ah, e quanto a textos, maluco, ando mais profunda que piscina olímpica. Ontem, durante minhas horas de insônia – eu achava que tinha médico às 8h da matina, o que me faz ter dificuldades incríveis pra dormir (saber que vou ter que acordar cedo, pq invariavelmente meu despertador falha), mas aconteceu que acordei, fui, e… Descobri que o médico era às 8 da noite. ¬¬ – comecei a pensar que existem duas formas de pegar no sono.

Uma é, lógico, quando vc está com sono de verdade, deixa, fecha o zói e pof, apaga. Essa é a mais feliz.

Outra é esta observação que eu fiz de como durmo quando NÃO estou com sono.

Vc frita na cama. Vc vira de lado 18 vezes. Parece que o colchão já deformou. Vc sente que aquele não é o seu lugar e começa a balançar o pé, de nervoso, o que nem de longe te dá sono.

Aí, eis que surgem todos os seus problemas ou pensamentos vigentes, ou seja, todas as coisas que vc tem que pensar e está pensando no momento, no dia, na época. Aí vc fixa o pensamento em alguma coisa e vai aprofundando, cada vez mais concentrado no tema.

De fato, parece que vc se concentra tanto, mas tanto, que chega uma hora que dorme. Parece que entra por uma porta pra dentro da cabeça, e depois tem outra porta, outra, outra, outra… E depois vc não se lembra mais, pq já dormiu.

Tanto é que eu só me lembro até aqui. Eu tava formulando esse pensamento ontem. Com o travesseiro na cara – sou adepta da cabeça-sanduíche na hora de dormir -, eu comecei a pensar isso tudo. E não pude mais evoluir o pensamento pq dormi.

E, por sinal, tive pesadelos. Tinha uma nave espacial que pairava sobre meu prédio e entrava na garagem da Pluma (??? Pluma é a viação de ônibus que eu fui pro Chile e NÃO tem garagem do lado do meu prédio) do lado do meu prédio. E neguinho ficava embaixo, que nem em Independence Day. Eu olhava apavorada…

Mas no fim do sonho a parada era uma nave de um reality show em que disfarçaram metade dos E.T.s como gente e a outra deixaram verdes e cabeçudos, pra ver se se mataram.

Bom, não se mataram.

Pelo menos até o telefone tocar. ¬¬

Tô dizendo, cara… Eu tô uma mescla de mescalina com Ibuprofeno…Tsc, tsc… E sem nunca ter tomado mescalina. “

Entradas Mais Antigas Anteriores